Redes sociais podem ser mais que nocivas

O medo do cancelamento e da frustração bombardeiam nossa saúde mental

Que a internet hoje nos beneficia em vários sentidos, não há dúvidas, porém, como tudo na vida, existe o lado bom e ruim das coisas. As redes sociais revelam um novo fenômeno: o “medo de ficar de fora”. Do inglês “fear of missing out” surge um novo sentimento de frustração gerado por postagens de amigos, familiares e celebridades em festas, viagens, restaurantes ou compras. A sensação tem se tornado tão comum que já ganhou nome: fomo – ou “fear of missing out”. “A fixação pela vida dos outros pode desencadear sentimentos como a ansiedade e a frustração porque é comum compararmos nossa realidade com o que vemos nas redes sociais. Só que isso é injusto já que as postagens são baseadas apenas em uma parte da vida de outras pessoas, nunca na vida como ela realmente é”, revela o psicólogo Guilherme Alcântara Ramos, membro do Núcleo de Atendimento Psicopedagógico do UniCuritiba – instituição que faz parte da Ânima Educação, uma das principais organizações de ensino superior do país.

Nas redes sociais, o que prevalece são os aspectos positivos e momentos felizes. Uma viagem de familiares, o happy hour da empresa, a balada frequentada por amigos ou a ideia de que os outros têm rotinas melhores podem desencadear o fomo. Uma pesquisa da agência de comunicação JWT, nos Estados Unidos, revelou que sete em cada dez millennials (nascidos entre 1981 e 1996) já viveram essa sensação e, para quatro em cada dez, o sentimento é frequente.

O especialista lembra que “sempre vamos ficar fora de algo, porque a vida é feita de escolhas”. “Se vou ao parque, não estou estudando. Se estudo, abro mão de assistir meu seriado favorito, e assim vai. Para não se deixar influenciar pela vida dos outros é preciso ter autoconhecimento e clareza sobre as próprias metas e objetivos”, ensina.

Tomar decisões de forma consciente reduz o fomo, poupa a saúde mental e evita, inclusive, prejuízos financeiros. “Quem se deixa levar pelas divulgações nas redes sociais corre o risco de ceder a impulsos de consumo e investir em experiências que nunca desejou. É importante refletir se a vontade de viajar para um determinado lugar ou ir a uma festa é real ou é apenas a necessidade exagerada de se enquadrar”, questiona o psicólogo.

Mas fica a pergunta: “como separar real e digital?”. Ramos enfatiza que entender as dinâmicas das redes sociais é importante. “Elas são instrumento de trabalho para muita gente focada em gerar conteúdo e entretenimento. O objetivo é engajar e, muitas vezes, vender, mas nem tudo é o que parece. Uma única viagem pode render séries de posts diferentes, dando a impressão de que aquela pessoa a quem seguimos digitalmente não para em casa.”

Ainda que exijam cuidados, as mídias sociais têm aspectos positivos e potencializam as interações sociais. O que não se pode, alerta o especialista, é confundir essas relações e se deixar levar pelo sucesso do mundo digital. “As relações sociais reais e as amizades sólidas devem se sobrepor ao engajamento, comentários e elogios do campo virtual”.

Segundo o professor, já existem pesquisas e dados comprovando que o uso exagerado das redes sociais e a inspiração na suposta vida perfeita dos outros têm efeito negativo para a saúde mental e podem desencadear sentimentos como tristeza, insatisfação, frustração e depressão. “Vida perfeita não existe, mas ninguém compartilha publicamente seus erros, tristezas e fracassos.” Para quem vive da superexposição, outro alerta do psicólogo: o medo do “cancelamento” também leva ao adoecimento mental. Ataques de haters e comentários negativos deixam as pessoas vulneráveis e suscetíveis ao estresse. Ter filtro e boas métricas de uso das redes sociais evitam prejuízos aos planos de vida, de carreira e à saúde física e mental de quem posta e de quem é seguidor. “Muito tempo na internet nos impede de investir no desenvolvimento e no amadurecimento pessoal, profissional e acadêmico. Não que as redes sociais sejam ruins para o lazer, o descanso e o relaxamento, mas devem servir à diversão. Se acompanhar a vida dos outros consome horas do dia e compromete a saúde mental, é preciso reorganizar as perspectivas e objetivos”, finaliza.