CEO Reinaldo Junior da Akio 2051 ressignifica o conceito da moda gerando propósito

Akio 2051 é a primeira marca de moda social do país. Criada em 2022, tem como propósito vestir bem fazendo o bem, revertendo 10% das suas vendas a instituições beneficentes de pouca visibilidade no Brasil, unindo o conceito da indústria da moda à responsabilidade social. A marca possui quatro coleções: Flor de Fogo, Cavalo Encantado, Amor Infinito e Casa Gente. Cada uma representa uma instituição beneficente com atuações diferentes, para tratamento de pessoas acometidas pela doença de Pênfigo, para crianças com paralisia cerebral, para cuidado de animais abandonados e para tratamento espiritual. A empresa surgiu
de um desejo do publicitário Reinaldo Junior durante a pandemia em ter o seu próprio negócio. Primeiro, ele pensou em investir em tortas com receitas criadas
pela sua avó, mas acabou não dando certo. Depois, decidiu comprar uma marca de moda esportiva de um amigo, que logo depois desistiu da venda. E foi quando Reinaldo Junior percebeu que poderia investir na abertura da sua própria marca com propósito social e uniu a sua experiência na Publicidade com o bom gosto da sua ex-namorada, que é artista plástica, para trazer um conceito diferente para a moda no mercado nacional. Juntos, eles criaram peças com o objetivo de levar as pessoas à reflexão ao vestir uma peça de roupa. “Nós queríamos criar uma marca que fosse diferente, que fosse mais do que só vender uma camiseta, por exemplo. O nosso objetivo foi ressignificar a indústria da moda gerando renda, conscientização e estilo”, explica Reginaldo Junior. O nome da coleção
“Flor de Fogo”, por exemplo, surgiu a partir de uma experiência que Reinaldo Junior teve ao visitar uma instituição de caridade em Uberaba (MG), que prestava assistência a crianças vítimas da doença fogo selvagem. A “Cavalo Encantado” foi criada devido a uma organização beneficente de Mariporã (SP) que trabalha com ecoterapia feito para crianças com paralisia cerebral, que vivem em cadeiras de rodas. A ideia de um cavalo imaginário que desse movimento às pernas
delas originou na criação da linha. Já a “Amor Infinito” se dá através de uma instituição que abriga animais e fica em Brasília (DF), indicada por uma amiga de
Junior. O dono da marca criou uma cachorra que era de sua irmã por oito meses, mas ela adoeceu e veio a falecer. A perda foi traduzida na infinitude do amor de
Reginaldo Junior pela cadela e deu nome à coleção. E a “Casa Gente” veio por meio de uma casa espírita de Araxá (MG), que cuida das pessoas de todos os tipos
em todas as suas diversidades. Para mais informações, acesse: akio2051.com.br