Dia Mundial da Gentileza: ser gentil faz bem à saúde, sabia?

Você sabia que ser gentil auxilia no bem estar e na produção dos hormônios do bem? Comemoramos o Dia Mundial da Gentileza em 13 de Novembro e é preciso, não só nesta data, lembrar que, independente das dificuldades que passamos, somos humanos. A gentileza é um gesto tão simples que, sem dúvida alguma, faz muita diferença na vida das pessoas. Podemos dizer que é uma atitude que transforma. “É o remédio para muitos males. Praticar a gentileza sem esperar nada em troca é a melhor atitude a ser praticada. Não precisa ter agradecimento”, explica a psicanalista Dra. Andréa Ladislau.

De acordo com a especialista, é preciso se questionar diante da atitude de ajudar as pessoas. Ser gentil é uma atitude altruísta que auxilia e muito no sentimento de bem estar e na produção dos chamados hormônios do bem mas, é preciso fazer isso sem esperar resultados. “Assim como a gratidão também auxilia nessa produção de hormônios do bem, ela promove o estímulo neural que libera a produção de hormônios propiciando uma sensação de prazer. Hormônios como a oxitocina, endorfina e a serotonina. Orientados por estas premissas, não podemos deixar de pontuar os aspectos relevantes destes benefícios para a nossa saúde como um todo, pois uma vez que nosso sistema imunológico está fortalecido por uma onda de hormônios do bem, sem dúvida, teremos uma consequente elevação de melhoria do sistema imunológico, diminuindo os riscos de doenças e também possibilitando o prolongamento da vida, já que também teremos uma maior produção das células de defesa do organismo”.

No entanto, essa necessidade de fazer e receber a gratidão e o magoar-se, gerando conflitos, cobranças e sofrimentos, não é nada saudável, nem equilibrado. “Isso exige muito de você e alimenta transtornos psíquicos desnecessários e coloca-o dentro de um ciclo vicioso onde, o chicote imaginário entra em ação para te punir emocionalmente, cada vez que o agradecimento não vem. A grande verdade é que o verdadeiro equilíbrio está em fazer e não criar expectativas, pois com ela vem a frustração. E, só fazer até onde pode. Não fazer e gerar sacrifícios por ter que agradar sempre. No fundo, agindo assim você não está sendo honesto com as pessoas e muito menos com você. Não faz por compaixão ou por gentileza ou gratidão, faz pelo reconhecimento. Faz para que o outro fique te devendo algo. Para que possa se sentir poderoso e para diminuir, emocionalmente, a pessoa a quem ajudou. Se você fez e a pessoa não agradeceu, não teve gratidão, certamente, isso fala mais dela do que de você. Não precisa sofrer. Só precisa rever suas atitudes e se posicionar de outra maneira”, finaliza.